12 fotos da primeira parada gay de Beirute

This post is also available in: Inglês Espanhol

Apesar das ameaças de violência, a comunidade LGBT de Beirute, no Líbano, organizou a sua primeira celebração de orgulho na semana passada.

Hadi Damien começou a planejar a Beirute Pride no verão passado como uma semana especial para coincidir com o Dia Internacional Contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia (IDAHOT) em 17 de maio.

No sábado à noite, a bandeira do arco-íris voou alto por 18 bares em Mar Mikhael, um distrito de vida noturna popular da capital libanesa.

De 14 a 21 de maio, vários eventos ocorreram no centro cultural de Beirute, bares, escritórios a avenidas. Esses eventos incluíram exibições, concertos, festas, performances, fotografia. Em uma país onde ser homossexual permanece sendo crime, mais de 4 mil pessoas participaram.

Uma declaração postada no website do Beirut Pride diz, “Beirute Pride é uma plataforma feliz, amigável e construtiva que convida as pessoas a se expressar, em uma tentativa de contribuir para a nossa libertação do ódio destrutivo que envenena o nosso país e força muitos concidadãos a fugirem em direção a outros países que garantam seus direitos básicos “.

Um evento LGBT não oficial foi cancelado depois que ameaças foram feitas por uma organização islâmica. A Liga de Estudantes Muçulmanos no Líbano, um grupo salafista, usou as mídias sociais para expressar sua oposição à longa série de discussões e apresentações sobre questões e direitos LGBT do Proud Lebanon.

“Nosso dia foi cancelado porque o hotel recebeu ameaças e a organização islâmica pressionou a direção, que ficou com medo da segurança”, explica Causette Maalouf, oficial de advocacia do Proud Lebanon.

O cancelamento trouxe mais visibilidade para a Beirute Pride do que o planejado. “No final, fizemos as coisas corretamente, conseguimos todas as autorizações das autoridades e nossos eventos foram seguros”, Damien disse à Al-Monitor.

“Nós somos cidadãos libaneses, afinal, e como tal (nossas reuniões) são protegidas pelas Forças de Segurança Interna, como qualquer outro evento.” Esta semana foi realmente possível graças ao trabalho, há mais de uma década, de Cidadãos, grupos, associações e advogados que nos defendiam”.

“Estamos simplesmente dizendo que porque você acha que alguém é diferente de você, não é OK assediar, intimidar, atacar ou discriminar essa pessoa”, explicou. “Nós não estamos pedindo consentimento ou aceitação, mas somos contra a agressividade e os estereótipos compartilhados pelos meios de comunicação libaneses, eles exibem imagens estereotipadas de homossexuais como pessoas que você pode zombar, que usam drogas, são prostitutas ou abusadas – então no fim das contas as pessoas estão mal informadas. Estamos aqui para se fazer entender que ser LGBT significa ser comum”.

Damien também expressou sua admiração pelos jovens libaneses que vivem “sem tabu ou medo, com um verdadeiro orgulho, que expressaram durante esta semana”.

“As pessoas só querem levar suas vidas sem se esconder, ter medo ou vergonha, e no final do dia, as coisas estão indo na direção certa”, acrescentou. A para do orgulho gay de Beirute retornará em seu segundo ano maio, 2018.

 

Veja 12 fotos que encontramos com a hashtag Beirut Pride:

Live talk about gender fluidity in fashion #menjustwannahavefun #basharassaf #beirutpride #laterreestfolle #larybs

A post shared by Men Just Wanna Have Fun (@menjustwannahavefun) on

Proud Lebanon

A post shared by Carla (@carlavankaal) on

❤️ #beirutpride 🏳️‍🌈

A post shared by Tafla Batroun (@taflalife) on