boicote riachuelo

LGBTs boicotam Riachuelo após dono da marca afirmar apoio a políticos religiosos

O empresário Flávio Rocha, dono da Riachuelo, declarou publicamente apoio às bancadas católica e evangélica do Congresso, um apoio de peso na luta contra pautas progressistas nas próximas eleições, o que representa um retrocesso perigoso para a população LGBT que já fala em boicote nas redes sociais.

Segundo reportagem da Folha de São Paulo, Rocha acredita que o Brasil precisa de um candidato que alinhe ideias conservadoras para a economia e a sociedade. O empresário, que é ligado à igreja Sara Nossa Terra, defende as bandeiras das igrejas como o combate ao casamento igualitário, descriminalização do aborto e o que chamam de “ideologia de gênero”.

Por isso membros da população LGBT começaram a organizar um boicote à marca do empresário que deixou claro que suas ideias se disseminaram a partir do lançamento do movimento empresarial Brasil 200, batizado em alusão aos 200 da Independência do país, que será em 2022.

Nas redes sociais, diversas pessoas se manifestaram pedindo boicote à marca especialmente na página do Facebook da loja onde dezenas de comentários permanecem sem resposta. Ano passado, a Riachuelo divulgou uma campanha para o Dia dos Namorados na qual apresentava diversos homens e mulheres que formavam casais, mas com ausência de casais LGBT.

O empresário diz acreditar que o povo brasileiro seja extremamente conservador, em grande maioria contra o desarmamento, a favor da redução da maioridade penal e contra a discussão sobre gênero. Essa é a pauta do povo brasileiro, “mas falar disso se tornou politicamente incorreto”, afirmou.