ESTUDO: O Que Os Gaymers Realmente Querem Dos Vídeo Games

This post is also available in: Inglês

A imagem estereotipada de um gamer é de um cara que leva as coisas muito a sério e que repetidamente adiciona xingamentos homofóbicos ao seu discurso — parando de jogar o seu XBox somente para assediar a crítica de jogos Anita Sarkeesian. Mas, felizmente, a primeira pesquisa de demografia dos Gaymers realizada por Jason Rockwood em 2006 revelou que na verdade os gamers são bastante diversos.

gaymers, book, paul s nowak, lgbt gaming, video games Em 2009, Paul Novak considerou a premissa da pesquisa do Rockwood e a expandiu para incluir mais de 7.000 participantes, completando um questionário cobrindo questões sobre conteúdo, técnicas de jogo e assim em diante. A pesquisa foi um sucesso mas Nowak não publicou seus resultados em uma revista acadêmica (como Rockwood) porque editores em potencial consideraram que a pesquisa “não era importante o suficiente”.

Felizmente, Nowak pegou seu estudo de volta dos acadêmicos e publicou os resultados junto com dicas e orientações sobre como desenvolvedores podem representar melhor tal comunidade gay em seu livro: Gaymers: The Difference a ‘Y’ Makes (Gaymers: A Diferença que um ‘Y’ Faz).

Aqui está o que o trabalho de Nowak revelou sobre o gaymer médio:

Gaymers Preferem RPGs

De Final Fantasy a Fallout, gaymers como um todo escolheram RPG como o gênero de jogo preferido deles. As longas horas de trabalho para aquele armadura perfeita e a chance de jogar como outra pessoa em um universo diferente e fantástico parece ser um feitiço que nem mesmo um Ribbon Amulet pode te deixar imune a ele.

Gaymers são Exploradores/Conquistadores

Qualquer um que tenha jogado um RPG sabe que uma história cativante e um universo interessante que se expande são as melhores partes do jogo. Os gaymers TEM que procurar em cada canto e recanto para encontrar aquele easter egg escondido sempre elusivo — mas que vale muito a pena — ou aquele item-difícil-de-achar. Eles também passarão pela missão secundária mais tediosa para pegar uma pena que vai te dar uma garrafa para aquela espada nova ou armadura mágica.

"Come on you Guys, I need just one more scale. This will be easy"
“Vamos lá pessoal, eu só preciso de mais uma escama. Isso vai ser moleza”

Gaymers são Hardcore

Os gaymers passam aproximadamente três a quatro horas por dia jogando enquanto as gaymers passam cerca de duas horas por dia jogando. Isso pode não parecer muito, mas ambos jogam isso pelo menos cinco vezes por semana. Quando você soma a média de anos gastos jogando — onze ou mais anos foi a resposta mais popular — isso dá mais de 12.000 horas passadas em frente a uma tela.

Gaymers Querem Um Bom Roteiro Acima de Tudo

Existem várias coisas que atraem um gaymer. Apesar da customização de avatar e o gênero de um jogo específico se classificarem bem alto na lista, nada se compara a uma boa história e a um enredo intrigante. Se a história é boa, a maioria dos gaymers vai enfrentar os controles e o sistema de batalha esquisitos.

"So... I'm digging your new armor." "Thanks, slaying dragons is such a breeze now."
“Então… eu curti sua nova armadura.” “Obrigado, agora me sinto a vontade para matar dragões.”

Gaymers Querem Conteúdo Homossexual de Qualidade em Seus Jogos

Gaymers acham que o conteúdo homossexual é importante e com prazer ajudariam a aumentar as vendas de qualquer jogo se tal conteúdo fosse oferecido de uma boa maneira. Os gaymers não querem jogos após jogos produzidos constantemente apenas para preencher um espaço no mercado. Representação importa, afinal — por que pessoas hétero se identificam com os personagens o tempo todo?

Publicado anteriormente em 10 de janeiro de 2016.


GX, ou GaymerX, é um “espaço queer”; uma convenção anual em Santa Clara, Califórnia, onde painéis focam em temas queer, mas todos são convidados e bem-vindos. Como um patrocinador de mídia orgulhoso do GaymerX, o Unicorn Booty cobre questões dos games de todos os tipos. Ingressos estão disponíveis em GaymerX.com.