Eu Estava na Parada do Orgulho da Turquia Durante o Ataque…

This post is also available in: Inglês

Em 28 de Junho, aproximadamente às 4 horas da tarde, eu e meus amigos tomamos o metrô para a Praça Taksim. Estávamos todos muito empolgados em participar de nossa 23ª Marcha do Orgulho LGBTI. Eu tinha ido ao evento pelos últimos quatro anos, vendo a multidão crescer cada vez mais a cada ano. No ano passado, quase 100.00 pessoas marcharam alegremente pela Avenida İstiklal — um dos locais mais populares na Turquia.

Turkey, LGBT, Pride parade, police attack, protest
(imagem via GZone.com.tr)

Quando chegamos à infame Praça Taksim — local de numerosos protestos e movimentos ao longo de toda a história turca — vimos muitos times SWAT da polícia ao redor. Não nos importamos muito com a polícia porque você geralmente vê mais policiais do que cidadãos na praça. Durante muitos protestos, eles ficam observando quietamente das laterais, encarando os protestantes com uma ameaça silenciosa. Mas este Domingo foi diferente; não havia nada de quieto neles.

Quando tentamos chegar a um bom ponto da Avenida İstiklal, rumores no Twitter diziam que a polícia não permitiria nossa marcha do orgulho. A polícia disse que a marcha não tinha permissão, mesmo quando, em leis turcas, cidadãos não precisam de permissão para organizar um protesto ou marcha desarmada.

Durante as próximas duas horas, testemunhamos alguns policiais atacando alguns protestantes (armados apenas com bandeiras do arco-íris) usando canhões d’água, gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Turkey, LGBT, Pride parade, police attack, protest
(imagem via GZone.com.tr)

Durante a intervenção policial, um protestante levou um tiro de borracha no olho e agora enfrenta 90 por cento de cegueira total. Posteriormente descobrimos que o protestante era um membro do partido político AKP — o mesmo partido político do presidente conservador da Turquia — uma mudança estranha no destino! E, sim, há indivíduos LGBT que apoiam o partido mega-conservador AKP.

A violência policial durante os protestos também machucou outras pessoas.

Mais tarde naquela noite, a polícia também atacou a after-party oficial da Marcha do Orgulho; ainda não sabemos o porquê…

Para dizer diretamente, ainda não entendemos a verdadeira razão para o ataque. O escritório do governador liberou mais tarde uma declaração de imprensa dizendo que os policiais o fizeram como precaução(!) por causa de grupos radicais ameaçando atacar a multidão LGBTI. Outras fontes mencionaram que o governo e a polícia não queriam defensores LGBTI marchando pela Praça Taksim porque era o mês do Ramadan.

Acho que eles se confundiram com essa tal “intervenção” idiota — nem eles sabem a verdadeira razão por trás do ataque. Eles só fizeram seu trabalho para impedir cidadãos LGBTI corruptos(!) de se expressarem. Mas tudo terminou bem mal porque o grupo LGBTI sem fins lucrativos que organiza o evento não hesitou em mover uma ação judicial contra os partidos responsáveis por essa bagunça: o governador e o secretário de segurança!

Eu me sinto bem mal, na verdade. Ao longo dos últimos cinco a 10 anos, eu e meus amigos fizemos bastante progresso ganhando mais visibilidade e aceitação para direitos LGBTI. Essa intervenção policial boba fez com que a violência contra indivíduos LGBT parecesse uma pouco mais aceitável para homofóbicos.

Turkey, LGBT, Pride parade, police attack, protest
(imagem via GZone.com.tr)

Mas de um ponto de vista mais otimista, testemunhar o apoio de pessoas LGBT e não-LGBT depois desse incidente preocupante, parece que conseguimos uma “visibilidade” ainda maior, apenas de uma forma muita mais dura. Eu acredito que a regra de ser aceito é ser “visível” primeiro. Então agora, mais da sociedade nos vê muito mais claramente. E claramente, eles também verão nosso entusiasmo, persistência e ambição para nos tornarmos indivíduos totalmente iguais na sociedade turca ao longo da próxima década.

Pessoas LGBTI podem ter tropeçado e levada um golpe nessa instância, mas nos final nós nos ergueremos como sempre fazemos! Então não se preocupe conosco, mundo, nós nos ergueremos triunfantes!

– – – – –

Murat Renay é um autor, DJ e fundador da primeira e única revista de estilo de vida gay da Turquia GZone.