Fãs gays de futebol poderão levar bandeira do orgulho gay na Copa do Mundo na Rússia

A Rússia afirma que os fãs de futebol LGBT poderão levar suas bandeiras do arco-íris na Copa do Mundo de 2018 depois de avisar que pessoas do mesmo sexo segurando na mão poderia provocar violência.

Alexei Smertin, embaixador russo para a Copa do Mundo, respondeu a perguntas sobre se pessoas LGBT poderiam exibir a bandeira do orgulho gay nos jogos do próximo ano. A Rússia aprovou uma lei há quatro anos que proíbe a “propaganda gay”, que foi usada para reprimir praticamente qualquer forma de solidariedade com a comunidade LGBT.

Um ativista da prevenção de HIV/AIDS foi multado em US $ 870 em setembro por ter postando artigos sobre temas LGBT no Facebook, Mas Smertin afirma que a legislação não afetará os jogos.

“Definitivamente não haverá proibição de usar símbolos do arco-íris na Rússia, é claro que você pode vir aqui e não ser multado por expressar sentimentos. A lei é sobre propaganda para menores de idade. Não consigo imaginar que alguém vai entrar em uma escola e se propagar desse jeito para as crianças”.

FARE, a organização anti-discriminação que advertiu recentemente sobre a presença de atletas gays durante os 2018 jogos , aplaudiu seu discurso.

“Ele está dando algumas garantias e é tudo o que as pessoas querem”, disse Piara Powar, diretora executiva do grupo anteriormente conhecido como Futebol Contra o Racismo na Europa. “As pessoas querem saber se podem vir aqui com segurança, que serão protegidas”.

Mas os fãs LGBT de futebol têm motivos para se preocupar com sua segurança em um país com um registro extremamente fraco de direitos LGBTQ. Uma vez que a lei de propaganda foi aprovada em 2013, o número de crimes de ódio contra gays e pessoas trans dobrou. A Rússia tentou bloquear proteções que evitaria a discriminação contra a comunidade LGBTQ nos Jogos Olímpicos de Inverno do ano que vem na Coréia do Sul, mas a tentativa não foi bem sucedida.

Quando a Rússia organizou os Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi há três anos, o presidente Vladimir Putin afirmou que as pessoas LGBTQ não sofreriam discriminação, desde que “deixem as crianças em paz”.