Paulistanos vivem surto de hepatite A com mais de 80% dos casos entre homens

Dados atualizados da Secretaria Municipal de Saúde demonstram que entre janeiro e outubro houve 604 casos de hepatite A sendo que cerca de 80% das pessoas que contraíram a doença são homens.

A cidade de São Paulo teve aumento de 960% no número de casos da doença que ataca o fígado e pode ser ainda mais grave em pessoas com imunidade baixa, como crianças, idosos e portadores do vírus HIV, esse número já é considerado surto pelas autoridades sanitárias.

Lembrando que em 2016, de janeiro a outubro foram 57 casos sem contabilizar nenhum óbito e no mesmo período deste ano já são registradas duas mortes. A maioria dos casos, chegando a  80%, são homens de 18 a 39 anos que adquiriram a doença através de contato sexual sem proteção.

No ano passado, a Europa viveu um surto de hepatite A com a transmissão principalmente por via sexual, mas no Brasil, temos o fator das condições sanitárias especialmente em áreas da periferia. Para tratar a doença gratuitamente, basta procurar a Unidade Básica de Saúde mais próxima e tomar a vacina, que está disponível na rede pública para crianças de até 5 anos, pessoas com HIV positivo, pacientes em tratamento de quimioterapia e pessoas com hepatite B e C. A vacina está disponível em clínicas particulares para todos os demais casos.

 

Saiba como se prevenir:

  1. Sexo com proteção

A Hepatite A não é transmitida por fluidos corporais ou secreções, mas pelo contato com as fezes de uma pessoa contaminada. Por isso, é importante manter relações sexuais sempre com proteção, principalmente casais que praticam sexo anal e oral.

 

  1. Lave as mãos

Como o vírus da hepatite A está presente nas fezes, outra recomendação importante é higienizar corretamente as mãos após ir ao banheiro.

 

  1. Vacina

Desde 2014, o SUS disponibiliza gratuitamente a vacina contra hepatite A para crianças de até cinco anos. Grupos considerados de risco – como pessoas com doenças imunossupressoras, como hepatite B e C, e portadoras de HIV – também têm direito à vacina.

 

  1. De olho nos alimentos

A transmissão da hepatite A é oral-fecal. Por isso, a ingestão de alimentos e líquidos contaminados por resíduos fecais é uma das formas mais comuns de contaminação. Certifique-se sobre a higiene dos locais que você costuma comer.