Hornet lança a campanha ‘Conheça seus direitos’ em resposta a crimes contra LGBTs na Chechênia

This post is also available in: Inglês Espanhol Francês Tailandês Chinês

O recentes relatos de sequestro, detenção e tortura de homens supostamente gays na Chechênia continuaram nesta semana com os relatos de um refugiado que contou a história de um garoto de 17 anos jogado da varanda do nono andar de seu próprio prédio por seu tio simplesmente por ser gay.

Enquanto o presidente russo Vladimir Putin ordenou uma investigação sobre os atos de violência, LGBT russos tentaram contrabandear refugiados gays para fora do país. Ao mesmo tempo, os cidadãos e aliados LGBT em todo o mundo protestaram por um fim imediato da violência.

Em um desejo de fornecer educação e resistência em meio à violência anti-LGBT em todo o mundo, a Hornet, a principal rede social gay do mundo – também a empresa-mãe deste site – lançou a campanha “Conheça os seus direitos”, um esforço educativo para ajudar homens gays e os viajantes conscientes de seus direitos em diferentes países ao redor do mundo.

Trabalhando em conjunto com a campanha “Free & Equal” das Nações Unidas, uma campanha de educação pública criada para proteger globalmenteos direitos humanos, a Hornet criou um sistema in-app que atualiza os usuários sobre políticas anti-LGBT em países com leis voltadas para a comunidade LGBT.

À medida que os usuários atravessam as fronteiras internacionais, o aplicativo Hornet exibirá dicas úteis para manter os cidadãos dos EUA e não-americanos seguros. Por exemplo, algumas dicas recomendam desativar o Touch ID em dispositivos eletrônicos ou desinstalar aplicativos que possam revelar a identidade sexual de uma pessoa ou informações pessoais. A campanha “Conheça seus direitos” também fornecerá um mapa de países do mundo que criminalizaram a homossexualidade, bem como recursos sobre onde e como denunciar violações de direitos humanos em todo o mundo.

Em uma declaração conjunta, o presidente do Hornet, Sean Howell, e o oficial de direitos humanos do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR), Fabrice Houdart, declararam: “Nossa prioridade é fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para proteger os membros da comunidade LGBT desses abusos”.

“Os esforços também são necessários para garantir que os responsáveis por tais abusos sejam processados e responsabilizados e que as vítimas possam obter tratamento adequado para os abusos que sofreram.” O primeiro se dá em relatar esses abusos que muitas vezes permanecem invisíveis . “