Funcionários do Cirque Du Soleil Vegas expulsaram uma mulher transexual de um banheiro

This post is also available in: Inglês Espanhol Francês Tailandês Chinês

Uma mulher transgênera compartilhou sua experiência conosco sobre ser expulsa do banheiro feminino pela equipe do show do Cirque Du Soleil no New York-New York Hotel em Las Vegas.

Katie Charm é uma mulher trans que mora em São Francisco. Ela toma hormônios há sete meses. Durante suas “férias de verão” para Las Vegas com suas amigas, ela repetidamente experimentou problemas usando o banheiro de sua identidade de gênero.

Nós entrevistamos Charm com exclusividade: “Tomei um dia para digerir o que aconteceu, e meu único objetivo é tentar ajudar a comunidade queer o máximo possível aqui”.

Enquanto assistia ao Zumanity, um dos espetáculos do Cirque Du Soleil’sno New York-New York hotel, ela usou o banheiro das mulheres pouco antes do show começar. Mais tarde, quando ela voltou a usar o mesmo banheiro, a equipe de Zumanity e do New York-New York estava lá para interceptá-la.

“Eles literalmente formaram uma barreira no corredor o que me impediu de usá-lo”, ela nos diz. “O primeiro gerente era inacreditável. Ele agia como quem diz: ‘Bem, olhe para você, veja o que você está vestindo’. Eu estava vestindo uma blusa feminina e short, a propósito. Eu estava tipo: “Eu sou uma mulher trans! Tenho peitos inclusive”. Eu pedi para falar com seu gerente”.

Foi quando Charm começou a filmar o encontro inquietante que mostra os membros da equipe pedindo a ela a identidade e questionando se ela é realmente transgênero.

“Eu pedi um reembolso e o gerente disse: ‘Por que diabos nós lhe daríamos um reembolso?’ Eu tive que sair porque fiquei muito abalada. Perdemos o fim do show “.

Charm explica que que o medo tem sido presente desde que ela começou a transição.

“Eu não sei se você entende como é assustador para uma pessoa que está fazendo uma transição usar um banheiro de mulheres”, explica ela. “Fico assustada a todo momento de ser chamada e assediada por não pertencer ao gênero. Fiquei tão assustada com aqueles idiotas machistas esperando lá para me machucar por ousar usar o banheiro ao lado de sua esposa”.

“São montanhas titânicas de auto-dúvida que você tem que superar apenas para se sentir bem estar lá. Meses e meses de pensamentos de luta:” Eu realmente pertenço a este lugar? Eu sou uma pessoa má por apenas querer urinar em paz? A auto-dúvida é incapacitante contra o terror absoluto de ir ao banheiro dos homens. Depois de alguns meses de transição, você começa a cheirar como uma menina, e as pessoas lhe dão olhares assustadores no banheiro dos homens. Foi um pesadelo para todos [o início] de 2017. Foi um pesadelo que finalmente senti como se eu tivesse conquistado”.

Desde o incidente, a MGM Resorts — o dono do New York-New York Hotel — tentou entar em contato com Charm.

Em seu Instagram, eles escreveram:

MGM Resorts International se esforça para criar um ambiente seguro e inclusivo para nossos clientes LGBTQ. De acordo com a nossa política, os convidados que são transgêneros podem usar o banheiro do gênero com o qual eles se associam. Se você não teve permissão para acessar o banheiro de sua escolha, gostaríamos muito de uma oportunidade para resolver este assunto diretamente com você. A inclusão é um valor fundamental da MGM Resorts e agradecemos a oportunidade de fazer isso direito.

Desde então, pediram desculpas e ofereceram ao titular do bilhete um reembolso – mas Charm tem certeza de que é só porque há evidências de vídeo do encontro.

“Eles teriam entrado em contato se eu não tivesse gravado?”

“Por mais que eles queiram varrer isso pra debaixo do tapete, eu quero tornar isso público”.

“Mostramos nossos momentos felizes e é isso que as pessoas veem. Mas há muito medo e dor entre esses momentos”.

Leia a inicial de Katie Charm aqui:

Eu tinha ido antes daquela noite, ambas as vezes com amigas. Aprendi nesta cidade a não ir sozinha, e estou tão agradecida pelas minhas garotas que me apoiam e me protegem. Enfim, entramos e saímos em um ou dois minutos porque não queríamos perder o show.

Aparentemente, alguém se queixou de minha aparência pela primeira vez, e a segunda equipe estava esperando para me interceptar e me bloquear. Eles me cercaram e me disseram que eu era um homem e precisava usar o banheiro dos homens. Expliquei com calma que eu era uma mulher transgênera, 7 meses em hormônios e não pertencia ao banheiro dos homens. “Olha, eu tenho seios, não pertenço ao banheiro dos homens”. A equipe recusou o acesso e ficou muito agressiva comigo, especialmente quando pedi para ver o gerente.

O primeiro gerente foi inacreditável. Ele disse coisas como “bem, apenas olhe para você, veja o que você está usando” (infelizmente não tenho isso gravado). Minhas amigas foram super favoráveis – elas estavam ali ao lado de mim dizendo coisas como “mas o que ela fez além disso? Ela apenas fez xixi, é tão ruim?” E “Eu poderia ter um pau, como você sabe que eu não tenho? Você quer verificar minha identificação também?”

Finalmente, o gerente veio falar conosco e ele era ainda mais rude do que os outros. Nós dissemos claramente: “Vamos começar a gravar”.

“Eu sei que fiquei muito defensiva, mas tentei ser tão forte neste fim de semana, e parece fácil às vezes, mas não é, entende? Eu sei que não passo, que eu estou a mil anos de distância de passar por mulher apesar de estar com hormônios sete meses agora. Mas só porque sou uma mulher feia não significa que eu deveria estar sujeito a apresentar minha identidade para usar o banheiro. Eu não precisaria “passar” ou ser bonito para ser tratada como uma “fêmea válida”.

Apenas tenho sorte, meus amigos estavam lá. Além da sorte, este era um momento seriamente obscuro para mim, mas eles fizeram toda a diferença.

Eu nem sei o que fazer agora. Certamente isso não pode estar certo. Certamente Nevada não permite esse tipo de coisa, mesmo que seja “propriedade privada e possamos fazer o que queremos”, como disse o gerente. Eu achei que isso se aplica ao uso do banheiro no local de

Foi uma luta tão difícil de ser confrontada em 50% dos banheiros desta cidade que usei, não importa o quão feminino eu pareça, e meus trejeitos, movimentos e maquiagem e nada seja suficiente… A maioria das mulheres nos banheiros são super solidárias e amigáveis comigo, mas é sempre a equipe do local que parece ter o problema. Este foi, no entanto, o pior caso.

ATUALIZAÇÃO: 2:30 PM – Cirque du Soleil E MGM Resorts mandaram ao Unicorn Booty a seguinte declaração:

Declaração do Cirque du Soleil: Lamentamos o incidente experimentado por um dos nossos expectadores em 11 de julho no Nova York-Nova York. Diversidade e igualdade para cada indivíduo são valores fundamentais do Cirque du Soleil, e nosso show Zumanity celebra especificamente diversidade e amor em todas as formas.

MGM Resorts nos mandou o mesmo comentário que foi postado no Instagram de Charm.

  • Giovani Gonçalves

    Incrível como a ignorância de uns pode atrapalhar o direito de ir e vir de outros.
    Como se o reembolso fosse apagar a vergonha e humilhação que a pessoa passou.
    #MGMResort 👎👎👎