Conheça os 7 atletas LGBTs que competem nas Olimpíadas de Inverno de 2018

Apenas 0,2% dos atletas nas Olimpíadas de Inverno se identificam como gays ou bissexuais. Dos 2.952 atletas olímpicos que competem em Pyeongchang, Coréia, existem apenas sete que irão levantar a bandeira do arco-íris. Há quatro anos, na Rússia homofóbica, havia seis atletas abertamente homossexuais ou bi.

Vale lembrar que nas Olimpíadas do Rio havia um registro de 53 atletas abertamente LGBT, composto por 11 homens e 42 mulheres. Destes 53, 19 deles ganharam medalha. Não sabemos se o número diminuiu pela realidade de LGBTs não estarem presente mesmo ou se eles não levantaram a bandeira por questões de preconceito e represálias. Saiba quem são:

 

Gus Kenworthy – Estados Unidos (Freestyle Esqui)

Embora esta seja a segunda Olimpíada de Gus Kenworthy, será a primeira em que ele participa sendo abertamente gay. Ganhando uma medalha de prata em Sochi, ele disse que se sentia “horrível” por ter escondido isso nos Jogos russos, se assumindo em 2015 e tornando-se uma estrela de alto perfil. “Muito orgulhoso de dirigir-me à Coréia em nome da minha família, da minha cidade natal, dos EUA e da comunidade LGBT! Woohoo! ‘ escreveu em suas redes, confirmando que não aceitará convite da Casa Branca de Donald Trump.

Adam Rippon – Estados Unidos (Patinação)

Adam Rippon, que foi o campeão nacional dos EUA em 2016, estará fazendo sua estreia olímpica na Coréia. “Eu realmente não me importo com o que outras pessoas pensam de mim. Eu sou capaz de fazer bem feito e eu realmente sou capaz de ser vencer”, disse ele, de acordo com o Washington Post. Ele também foi questionado sobre o que é ser um homem gay nos esportes. “E eu disse que é exatamente como ser um atleta hétero, somente com melhores sobrancelhas”.

I made @ashwagner2010 take this pic and I love her for it.

A post shared by Adam Rippon (@adaripp) on

Daniela Iraschko– Stolz – Áustria (salto de esqui)

A partidora de esqui Daniela Iraschko – Stolz volta para os seus segundos Jogos Olímpicos. Ganhando prata em Sochi, ela se casou com sua parceira Isabel em 2013 e se assumiu publicamente antes de Sochi. “Não quero me esconder”, disse ela. “Nunca me importei com o que outras pessoas pensam sobre mim”.

#whatshappening #firstvictory #fairyailcomeback #wow Looks like a fairytail

A post shared by Danie Iraschko-Stolz (@danieiraschkostolz) on

Eric Radford – Canadá (Patinação)

Eric Radford é outro olimpista participando pela segunda vez, mas como Kenworthy será a primeira vez sendo abertamente gay. No final de 2014, quando ele se assumiu, se tornou o primeiro patinador artístico de nível internacional assumido enquanto ainda competia. Depois de ganhar prata, um repórter canadense perguntou quem estava em Sochi para apoiá-lo. Radford respondeu: “Oh, minha família, alguns amigos e meu namorado”. Seu noivo é Luis Fenero, também atleta do gelo.

Cheryl Maas – Holanda (Snowboard)

Cheryl Maas está em sua terceira Olimpíada de Inverno concorrendo pela Holanda. Duas vezes campeã mundial é casada com a ex-snowboardista Stine Brun Kjedlaas. O casal tem dois filhos. Enquanto muitos atletas estavam contra a ideia de promover os direitos dos homossexuais em Sochi, Maas decidiu fazer algo diferente. Ela decidiu apontar o dedo para a lei de propaganda anti-gay russa e usar luvas arco-íris durante a competição.

Ireen Wüst – Holanda (Speed ​​Skater)

Ireen Wüst está em seu quarto Jogos Olímpicos. A patinadora abertamente bissexual competiu Turim, Vancouver e Sochi. Ela ganhou uma medalha de ouro em Sochi e espera medalha novamente. Wüst também é notável por ter recebido um “abraço” do presidente Vladimir Putin na Rússia. Sua parceira, Letitia de Jong, também é uma patinadora de velocidade.

Belle Brockhoff – Austrália (Snowboard Cross)

Belle Brockhoff se assumiu gay antes de Sochi em protesto contra as leis anti-homossexuais da Rússia. “Eu quero me orgulhar de quem sou e me orgulhar de todo o trabalho que fiz para entrar nas Olimpíadas e não ter que lidar com esta lei”, disse Brockhoff. Os especialistas estão chamando ela de “concorrente principal” para a medalha na Coréia, apesar da recente lesão no joelho. “Eu quero me orgulhar de quem sou e me orgulhar de todo o trabalho que fiz para entrar nas Olimpíadas e não ter que lidar com esta lei”, disse Brockhoff.

Barbara Jezeršek – Austrália (Esqui de gelo)

Barbara Jezeršek vai competir sua terceira Olimpíada este ano. Enquanto ela competia em Vancouver e Sochi para a Eslovênia, se tornou uma cidadã australiana depois de se mudar para o país em 2016.