Padre se declara gay durante missa e fieis aplaudem

O padre Gregory Greiten da Arquidiocese de Milwaukee na paróquia de St. Bernadette, nos EUA, decidiu declarar sua homossexualidade durante uma missa que celebrava. Disse ele para a assembleia: “Eu sou o Greg. Eu sou um padre católico romano. E sim, eu sou gay!” As palavras reveladoras resultaram em aplausos daqueles que assistiam a missa, segundo o jornal Milwaukee Journal Sentinel.

 

O arcebispo Jerome Listecki, que apoiou a sua decisão, aconselhou o padre Greiten antes do anúncio: “Como a Igreja ensina, aqueles que se sentem atraídos pelo mesmo sexo têm de ser tratados com compreensão e compaixão. Como padres que fizemos o voto do celibato, sabemos que todas as semanas há pessoas que se debatem com a questão da homossexualidade”, declarou o arcebispo em comunicado.

 

LEIA TAMBÉM | Para reitera que homossexuais não podem ser padres

 

Greiten contou que descobriu sua homossexualidade aos 24 anos durante uma viagem de carro de cinco horas a caminho de um seminário e entende que falar sobre a orientação sexual é importante para que se saiba que na igreja também podem existir padres homossexuais e em sua crônica publicada no National Catholic Reporter contou como chegou à decisão de se abrir ao público e que quase deixando de carregar o fardo da sua orientação sexual. “Hoje, eu quebro o silêncio e solto-me da vergonha que se apoderou de mim desde cedo.”

“Hoje, junto-me aos sacerdotes corajosos que arriscaram sair das sombras e escolheram viver em verdade e autenticidade. Eu vou abraçar a pessoa que Deus quis que eu fosse”.

Recentemente o Papa Francisco reiterou em documento da igreja que homossexuais não podem ser padres, mesmo tendo defendido, no ano passado que os católicos devem um pedido de perdão aos homossexuais, lembrando que a Igreja ensina que os homossexuais “não devem ser discriminados, devem ser respeitados e acompanhados pastoralmente”.