40 Instagrams da Parada LGBT de São Paulo que você tem que ver

This post is also available in: Inglês Espanhol Francês

Centenas de milhares de foliões reuniram-se no domingo para comemorar o orgulho LGBT em São Paulo, Brasil. Um dos maiores encontros de orgulho do mundo, o tema deste ano para o orgulho LGBT de São Paulo foi: “Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico”.

As exigências do encontro sobre o secularismo no Brasil são devidas a extremistas religiosos conservadores que ameaçam os direitos LGBT de avançar. “Nossos principais inimigos hoje são fundamentalistas religiosos que procuram se retirar dos nossos direitos já adquiridos”, diz Claudia Santos Garcia, diretora da associação que organiza o evento.

Ela continua: “No Congresso Nacional, por exemplo, o debate sobre a criminalização da LGBTFobia está repleto de ataques de parlamentares do Congresso e conservadores, muitos dos quais usam suas imunidades parlamentares para espalhar o ódio a uma parcela da população. Citam suas visões de fé, como se estivessem em seus púlpitos e não em uma instituição que devesse garantir e ser guiada pelos leigos, conforme recomendado na Constituição Federal de 88. “
“Nossa democracia está ameaçada pelo fato de que representantes dos três poderes são motivados apenas por valores religiosos, sem preocupação com a cidadania, a pluralidade e os direitos humanos”, lamenta a associação do desfile do orgulho gay de São Paulo (APOGLBT) em uma declaração.
O grupo parlamentar evangélico no parlamento tem 197 de 513 deputados, 23 deles na Comissão de Direitos Humanos.
O desfile do orgulho LGBT de São Paulo deste ano contou com dois fortes patrocinadores: Skol e Uber.
“Nós apoiamos a Parada LGBT porque estamos de acordo com a bandeira do respeito acima de tudo. Desde a última parada, nos consolidamos neste caminho. Apoiar a Parada LGBT é promover a cultura, concentrando-se na diversidade e promovendo, sobretudo, o respeito para com o outro. Estamos muito orgulhosos de ser parte novamente “, disse Maria Fernanda Albuquerque, Diretora de Marketing da Skol.
“A Uber acredita que todos devem ter o direito de ser autênticos em sua individualidade, orientação sexual e identidade de gênero, e mais do que isso, se sentirem seguros e respeitados. Com isso em mente, a Uber é o patrocinador oficial da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo em 2017 “, disse Ana Pellegrini, Diretora Jurídica e Uber Diversity Leader para o Brasil.

Em 2006, esta foi considerada o maior desfile de orgulho do mundo pelo Livro dos Récords Guinness Book.

Aqui estão 40 fotos fabulosas da Parada LGBT de São Paulo:

Job… #man #paradagay2017 #fotomarcelomagnani #estudiomarcelomagnani #lgbt

A post shared by Marcelo Magnani (@marcelo_magnani.foto) on

💙💚💛❤️#paradagay #photography #streetphotography #lgbt #lgbtpride

A post shared by Nana Curti (@nanacurti) on

Aqui rolou. #gaypride #sp #lovewins #gaylove #paradagay

A post shared by Gui Castro (@guicastrogui) on

Anitta na #ParadaGay em São Paulo no Trio da Uber. 💫🦄🌈❣ #Anitta @anitta 💙💋

A post shared by Anitta 🎤🇧🇷 (@fcfamiliaanitter) on

Look do dia para parada gay, no trio da @skol com @danielamercury 🏳️‍🌈

A post shared by Henrique Lopes (@ricckl) on

Maria Picape #orgulholgbt #paradagay

A post shared by Mario Mendes (@maaario) on

#hornetguy #hornetguys #hornetapp #paradagay

A post shared by HORNET Brasil (@hornetapp_br) on

Com expectativa de reunir 3 milhões de pessoas, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo toma a Avenida Paulista neste domingo, 18, e pede a realização de novas eleições presidenciais. Nós queremos 'diretas já' para ontem", afirma Nelson Matias, sócio fundador da Associação da Parada do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros de São Paulo (Apoglbt), que há 21 anos organiza o evento. Neste ano, a cantora Anitta foi homenageada e postou uma mensagem nas redes sociais falando sobre a emoção e importância da luta. "Uma honra ser homenageada, coroada e literalmente tratada como rainha hoje na Parada Gay de São Paulo. Sou eternamente grata à todas as alegrias que este público me proporciona na vida. Espero poder sempre usar minha força para levantar a bandeira da liberdade, do respeito e da coragem à todos os cidadãos independente de sua orientação sexual. Ver crianças, famílias e todo tipo de gente se divertindo em massa na paz e na alegria em prol dessa mensagem foi lindo. E a mensagem é essa… Se respeitem, se amem, não se julguem… todos precisam ser incentivados a assumir o que são e não serem punidos de nenhuma forma por isso. Por um mundo sem hipocrisia e consequentemente mais honesto e feliz! Feio é não ter caráter, feio é não ter respeito ao próximo… ser gay não… ser gay é apenas ser humano. Muito obrigada por me proporcionarem tamanha experiência. E quero voltar na próxima pra fazer um show inteiro nesse evento surreal!", contou. Foto: Anitta/Instagram/Reprodução #paradagay #lgbtt #anitta #essepe #saopaulo #gay #gaypride #lgbttq #pop #liberdade #igualdade #equidade #genero

A post shared by Diario de Pernambuco (@diariodepernambuco) on

#SãoPauloPrideParade #ParadaDoOrgulhoLGBT #ParadaGay

A post shared by Luciano Carniel 🎧❤ (@lucarniel) on

#PRIDE

A post shared by Bruno Farias (@obrunofarias) on

São Paulo Gay Pride 2017. Photo by Paulo Ermantino @paulo.ermantino.

A post shared by Everyday Brasil (@everydaybrasil) on

#instagay #gay #gaypride2017 #gaypride #br #raimbow #guys #paradagay

A post shared by Binho Gozzi (@binhogozzi) on

"Gay", "bicha", "bichinha", "bambi", "baitola", "frutinha", "viado", "viadinho", "homossexual", "boiola", "mulherzinha", "sapatão", "lésbica", "Joãozinho", "mulher macho", "afeminado", "desmunhecado", "sapa", "caminhoneira", "sanchona", "cola velcro", "zé buceta", "traveco", "boneca", "barbie" e muitos outros. NÃO nos ofenderemos com nenhum desses rótulos idiotas, com objetivo de desqualificar, diminuir ou ofender seres humanos que saem do "padrão branco-macho-hetero-cis normativo" estabelecido por uma sociedade oprimida E opressora. Nós temos ORGULHO de ser quem somos. E dizemos: não tenha medo de ser quem você é. Nunca se esconda! SEJAM FELIZES. Nada paga a LIBERDADE. A DIVERSIDADE é LINDA. o/ #paradagay #paradalgbt #lgbt #gaypride #pride #diversidade #orgulho #maisamorporfavor #espalheamor #naosouobrigado #lgbttqa #lgbtnaoéfetiche #negronaoéfetiche #nenhumareligiãoélei #estadolaico #liberdade #freedom #beproud #love

A post shared by Adan Conceição (@adanwp) on

Diversidade sempre ❤🌈 #paradagay #pride #sp #diversity #love #orgulholgbt

A post shared by MAX MARION (@maxmarionmua) on

Less churches… More schools, science, art, culture, RESPECT… MORE LOVE! #PARADAGAYSP #PARADAGAY

A post shared by Jorge Leite (@icyblood33) on

ORGULHO 🏳️‍🌈

A post shared by Pedro Calderaro (@pecalderaro) on

Pequena grande Pipoca LGBT que a gente mais respeita #21paradalgbt #queer

A post shared by Priscila Pagliuso (@preellow) on

Eu amo te amar ❤️🏳️‍🌈 #paradalgbt #SãoPaulo #2017 #respeito

A post shared by 07/04 – Otavio Pichirillo 🤙🏽 (@otaviogomes_) on

#🌈 / aos 6 cheguei em casa chorando por ter apanhado na escola. minha mãe me ensinou a lutar. "mesmo se não tiver força, faz o que der. puxe o cabelo, morda o braço. mas se voltar pra casa chorando de novo vai apanhar de novo de mim". assim aprendi a ter coragem. aos 15 eu morria de vergonha de mim. de ter a voz fina, de ser o mais feio da sala, de ser o esquisito que tinha uma mecha de cabelo branco, de não entender o porque eu não sentia atração pelas meninas. aos 20 me apaixonei pela primeira vez e não me deixei viver aquilo. aos 21 contaram aos meus pais que sou gay. vi minha mãe ficar um ano com o braço paralisado em depressão após saber aquilo. me culpei todos os dias sabendo que ela estava assim por minha causa. ela me perguntou porque eu escolhi um caminho tão difícil. "eu não escolhi". aos 22 dei meu primeiro beijo. aos 24, fui pra uma praça, me deitei na grama e tomei todos os remédios que encontrei pra tentar encontrar paz. felizmente acordei no hospital, chorando por ter sido tão fraco: "mesmo se não tiver força, faz o que der". aos 26 andei de mãos dadas na rua com um namorado pela primeira vez. aos 28 uma editora disse que só publicaria o cartas amarelas se eu retirasse qualquer conteúdo gay do livro. aos 29, o publiquei sem editora, na íntegra. aos 30 uma empresa se recusou a trabalhar comigo porque não queria associar sua imagem com a de um gay assumido. aos 31 continuo lutando pelo simples fato de poder existir. é sempre tempo de tentar enxergar o mundo com os olhos do entendimento. e também com os olhos do coração. continuo lutando do jeito que posso: com minhas palavras, com meus doces, com meu sorriso, com a leveza de quem nunca mais quer carregar a culpa do mundo nas costas. hoje sou forte o bastante pra constatar que não dei conta de algumas coisas. e é agora que a minha força vai vir ainda mais latente. porque encontrei a força mais bonita: a que se parece fraca mesmo quando, na verdade, é a maior de todas. essa força e a leveza de quem hoje sabe que a vida de cada um vale muito mais do que a gente imagina e, por isso, essa mesma vida merece ter o maior coração do mundo. [repostando esse texto pra sempre me lembrar] 📷: @fabiolamounier

A post shared by gui poulain (@gpoulain) on

https://www.instagram.com/p/BVfRTlvn5H9/?taken-at=269404123

Vem pra #ParadaSP!!! O trio #DivinasDivas tá um lacre de gente incriveland. #ParadaLGBT

A post shared by Leandra Leal (@leandraleal) on

LOVE & PRIDE 💖❤️💛💚💙💜 #pride2017 #orgulholgbt #paradalgbt #lovewins

A post shared by samuel profeta (@samprofeta) on

Amar é um ato político: então ame! #ParadaLGBT #OrgulhoLGBT #AmeSemTemer #AmarSemTemer #Pride

A post shared by Dhyogo (@dhyogoo) on

sp 🌈🖤

A post shared by Thelma Penteado (@thelma.penteado) on

Mais beijos #fotomarcelomagnani #estudiomarcelomagnani #avenidapaulista #paradagay2017 #lgbt #love #kiss

A post shared by Marcelo Magnani (@marcelo_magnani.foto) on