Cantor trans Theodoro lança single funk pela resistência

Este ano o Brasil viu Pabllo Vittar, uma drag queen, se tornar um fenômeno pop, uma cantora trans, Liniker, se consagrar na cena da MPB e uma travesti, Mulher Pepita, fazer barulho na cena do funk. Estava faltando um homem trans para engrossar a representatividade da diversidade. Theodoro lança nesta sexta-feira “Experimenta”, um funk que tem a pegada da resistência e da militância, que levanta a bandeira sem medo da reação do público. A história da música conta os relacionamentos que Theodoro viveu em que era alvo de aproximação das mulheres apenas por ser trans. É uma subversão.

“Com o funk eu consigo eu consigo chegar do mais pobre ao mais rico. Do hétero ao LGBT. Na criança, no adolescente, no adulto. Eu quero que a minha música chegue em todo mundo”, define o artista. “Eu tenho um orgulho do caralho de cantar funk”.

“Vivi histórias que as meninas chegavam em mim apenas pela curiosidade de saber como é um corpo trans. E com os homens ainda é mais agressivo. Se eu estou numa festa os caras já chegam pegando em mim pra saber como é meu corpo. A letra de Experimenta tem esse jogo. É um convite: pode chegar, mas com jeito e ficar. O corpo trans tem poder”.

Carioca, Theodoro viveu boa parte da vida em uma comunidade da cidade do Rio onde teve o primeiro contato com o funk. “Minha aparência pode dar a impressão de que sou um playboy querendo se aventurar no ritmo. Eu vivi a infância na Favela da Barão (morro do Rio) onde o funk era a referência musical, como em toda comunidade. Com o tempo, aprendi a gostar do estilo”, definiu.

Sua maior referência na cena pop é a cantora Pabllo Vittar que conheceu na gravação de uma edição do programa Amor e Sexo sobre identidade de gênero. Posteriormente, ele fotografou a diva para a capa de uma publicação LGBT.

Ouça um trecho da música:

http://www.deezer.com/br/track/443304062

Quem sabe um novo sucesso da bandeira LGBT não está surgindo em 2018?

Siga o gatão nas redes sociais: Instagram e Facebook