YouTube Afirma que Removeu a Censura do Conteúdo LGBTQ

This post is also available in: Inglês Espanhol Francês

O YouTube anunciou que “consertou” sua prática de filtrar vídeos com conteúdo LGBTQ no seu modo restrito.

The Daily Beast informou que na sexta-feira, a vice-presidente de gerenciamento de produtos do YouTube Johanna Wright anunciou que os engenheiros “consertaram o problema” do Modo Restrito, uma ferramenta do YouTube que esconde conteúdo adulto de usuários mais jovens. O YouTube afirmou que “mais 12 milhões de vídeos de todos os tipos — incluindo centenas de milhares com conteúdo LGBTQ+ — estão [agora] disponíveis no Modo Restrito.”

Wright continuou, “Queremos esclarecer que o Modo Restrito não deveria filtrar conteúdo que pertença a indivíduos ou grupos baseados em certos atributos como gênero, identidade de gênero, pontos de vista políticos, raça, religião ou orientação sexual.”

Em março, os vloggers notaram que o YouTube estava escondendo vídeos com conteúdo LGBTQ no Modo Restrito, impedindo que jovens assistissem. No entanto, o website não estava escondendo apenas vídeos sexuais — estava automaticamente escondendo vídeos com tags com termos LGBTQ como “gay,” “queer” ou “trans,” mesmo se não tivesse nada explícito neles. (Porém, o YouTube deixou muitos vídeos de nacionalismo branco sem censura.)

É compreensível que um site de compartilhamento de vídeos restrinja conteúdo, até certo ponto. Muitas empresas não querem ser associadas a discursos de ódio ou gore extremo.

Mas restringir conteúdo LGBTQ pela faixa etária pode afetar os jovens que estão tentando entender quem eles são.

Conforme a youtuber Rowan Ellis afirmou:

Um dos principais problemas com isso é que os jovens queers não podem receber apoio. Eles não podem receber apoio porque ele tem que vir de queers mais velhos ou adultos. E é visto como inapropriado ter jovens queers e  adultos queers no mesmo espaço apesar desses espaços na comunidade serem necessários para esses jovens. Essa é uma identidade marginalizada que muitas vezes não tem laços na própria família. Isso é algo que você descobre isoladamente e sozinho quando você não tem esse tipo de relacionamento LGBT intergeracional que pode ser formado.

 

(Imagem em destaque via YouTube)

 

Traduzido por Rafael Lessa.